top of page

A influência dos nômades digitais no mercado imobiliário português



No mundo globalizado, virtual e flexível de hoje, permanecer em um único lugar a vida toda foi substituído pela liberdade de se deslocar, e estar onde quiser sem tempo determinado.


Essa é uma nova realidade que já é comum no modo de vida de muitos: os nômades digitais, profissionais de diferentes áreas que, ao se depararem com a realidade do home office, veem a oportunidade de uma vida simples e leve, trazendo mudanças em vários setores do mercado, incluindo o setor imobiliário.


Atualmente no Brasil, são cerca de 8 milhões de pessoas que trabalham remotamente e já existem lugares que estão se beneficiando dessa tendência. Ainda no início desta epidemia, em 2020, na ilha da Madeira, em Portugal, foi criada a primeira vila da Europa para nômades digitais, com toda a infraestrutura necessária a estes trabalhadores, em um local considerado paradisíaco.


O setor imobiliário em Portugal continua bem ativo, mesmo durante a pandemia. Para isto, a procura interna, bem como as famílias estrangeiras que buscam viver em Portugal tem contribuído fortemente, segundo Frederico Abecassis, CEO do Coldwell Banker Portugal. Além disso, os nômades digitais se apresentam como um segmento que vem impulsionando o mercado.



Segundo o CEO, o mercado imobiliário não está estagnado e encontra-se em estado de recuperação. “Isso é sobretudo notório no aumento da procura e da valorização das habitações que se tem vindo a registar nos últimos meses”, comentou Abecassis.


Nos Açores, a Câmara da Ribeira Grande, criou uma plataforma online para atrair nômades digitais, com um objetivo estratégico da autarquia. A plataforma promete incluir informações úteis, como "infraestruturas de trabalho com boa acessibilidade à Internet, alojamentos, restaurantes e atividades".


A Câmara também adiantou que a plataforma “Digital Nomads RG” visa ser uma “porta de entrada” para os nômades digitais que pretendem trabalhar remotamente no município da Ribeira Grande.


O prefeito, Alexandre Gaudêncio, reforça que os nômades digitais "usufruir das potencialidades do conselho", o que vai "fortalecer a economia local, dado o poder de compra" desses profissionais.


A plataforma Digital Nomads RG promete fornecer descontos, apresentar eventos dedicados aos nômades digitais e informações úteis, como infraestrutura de trabalho com bom acesso à internet, hospedagem, restaurantes e atividades.





107 visualizações0 comentário
bottom of page