top of page

Expat City Ranking 2022 revela as melhores e piores cidades para expatriados em todo o mundo

Valência (1º), Dubai (2º) e Cidade do México (3º) são os 3 principais destinos no Expat City Ranking 2022 da InterNations , a maior comunidade de expatriados do mundo, com mais de 4,5 milhões de membros.

Por outro lado, Joanesburgo (50º), Frankfurt am Main (49º) e Paris (48º) são os piores destinos em 2022. Os expatriados em Joanesburgo estão particularmente desapontados com a baixa qualidade de vida e sua vida profissional, enquanto Frankfurt e Paris se saem mal nos índices Ease of Settling In e Expat Essentials. Além disso, os expatriados nas três cidades lutam financeiramente.


O Expat City Ranking é baseado na pesquisa anual Expat Insider da InterNations, que é uma das mais extensas pesquisas sobre morar e trabalhar no exterior, com 11.970 entrevistados em 2022. Este ano, 50 cidades ao redor do mundo são analisadas na pesquisa, que oferece informações detalhadas sobre cinco áreas da vida do expatriado: Qualidade de Vida, Facilidade de Instalação, Trabalho no Exterior, Finanças Pessoais e Expat Essentials Index, que abrange a vida digital, tópicos administrativos, moradia e idioma.



As 10 melhores cidades para expatriados em 2022

1 | Valência: Habitável, Amigável e Acessível

Valência ocupa o 1º lugar entre 50 no Expat City Ranking 2022, bem como o 1º no Índice de Qualidade de Vida. Os expatriados descrevem o transporte público como acessível (85% feliz contra 70% globalmente) e adoram as grandes oportunidades para esportes recreativos (92% contra 75% globalmente). E 92% dos expatriados se sentem seguros em Valência (vs. 81% globalmente). Quando se trata do índice de facilidade de acomodação (3º), os expatriados se sentem em casa lá (74% contra 62% em todo o mundo) e estão felizes com sua vida social (72% contra 56% globalmente). A cidade também ocupa o terceiro lugar no Índice de Finanças Pessoais, ficando em primeiro lugar em custo de vida: 83% dos expatriados avaliam positivamente (vs. 45% globalmente). Enquanto Valência tem um bom desempenho no Expat Essentials Index (13º), o Working Abroad Index (41º) é de longe o seu ponto mais fraco. Fica em último lugar em Perspectivas de Carreira (50º):


2 | Dubai: ótimo para trabalho e lazer

Dubai ocupa o primeiro lugar mundial no Expat Essentials Index e em sua subcategoria Admin Topics. Os expatriados relatam que é fácil lidar com as autoridades locais (66% contra 40% globalmente) e 88% estão satisfeitos com a disponibilidade de serviços governamentais online (contra 61% globalmente). No entanto, 18% estão insatisfeitos com o acesso que têm aos serviços online (vs. 7% globalmente). O índice de facilidade de acomodação (8º) - os expatriados estão satisfeitos com sua vida social (68% felizes contra 56% globalmente) e se sentem bem-vindos em Dubai (81% contra 66% globalmente) - e o Índice de Qualidade de Vida (6º ) são mais dois destaques. Quase todos os expatriados (95%) estão satisfeitos com a infraestrutura para carros (vs. 75% globalmente) e classificam tanto a cultura e a vida noturna (5º) quanto a variedade culinária e as opções gastronômicas (3º). Dubai vem em sexto lugar no Índice de Trabalho no Exterior.


3 | Cidade do México: Amigável e Acessível, mas Inseguro

A Cidade do México ocupa o primeiro lugar mundial no Índice de Facilidade de Instalação. Os expatriados se sentem em casa (82% felizes contra 62% globalmente) e bem-vindos (89% contra 66% globalmente) lá, e 87% descrevem os residentes locais como geralmente amigáveis ​​(contra 66% globalmente). A cidade tem desempenho igualmente bom no Índice de Finanças Pessoais (1º). Os expatriados são os mais satisfeitos com sua situação financeira (73% felizes contra 60% globalmente). Apesar de seu desempenho médio no Working Abroad Index (24º), os expatriados estão satisfeitos com suas oportunidades de carreira pessoal (71% contra 58% globalmente) e com seus empregos em geral (73% contra 64% globalmente). No Expat Essentials Index (30º), os Tópicos Administrativos (44º) são um problema, mas a moradia é fácil de encontrar (9º) e de pagar (6º). Por fim, a Cidade do México termina entre os 10 últimos lugares do Índice de Qualidade de Vida (44º). Os expatriados estão especialmente desapontados com as subcategorias Meio Ambiente e Clima (41º) e Segurança e Proteção (47º). Mais de um em cada três (35%) está insatisfeito com sua segurança pessoal (vs. 9% globalmente).

4 | Lisboa: clima e qualidade de vida incríveis, mas opções de trabalho medíocres

Lisboa é uma das cidades com melhor classificação no Índice de Qualidade de Vida (5º). Entre outras coisas, os expatriados apreciam o clima e o clima (98% felizes contra 62% globalmente), a cultura e a vida noturna (87% contra 67% globalmente) e se sentem seguros lá (94% contra 81% globalmente). Lisboa também ocupa o quinto lugar no Índice de Facilidade de Instalação — os expatriados acham fácil se acostumar com a cultura local (81% contra 62% globalmente) e estão felizes com sua vida social (69% contra 59% globalmente) — e o Índice de Finanças Pessoais. Isso se deve principalmente à alta satisfação dos expatriados com o custo de vida (69% satisfeitos contra 45% globalmente). No entanto, apenas 71% dizem que sua renda familiar disponível é suficiente ou mais do que suficiente para levar uma vida confortável (vs. 72% globalmente). Isso pode estar relacionado ao fato de que 27% nãosentem-se pagos de forma justa por seu trabalho (vs. 20% globalmente). Uma vez que também consideram que a mudança para Lisboa não melhorou as suas perspetivas de carreira (28% vs. 18% globalmente), Lisboa ocupa apenas o 36.º lugar no Índice de Trabalho no Estrangeiro geral.

Veja mais:


5 | Madri: ótimas atividades de lazer e uma cultura acolhedora

Madrid tem o melhor desempenho no Índice de Qualidade de Vida (4º). Os expatriados adoram o clima e o clima (88% felizes contra 62% globalmente), suas oportunidades de viagem (95% contra 82% globalmente) e a cultura e vida noturna disponíveis (90% contra 67% globalmente). No Índice de Facilidade de Fixação (7.º), Madrid também se destaca, sobretudo na Subcategoria Cultura & Acolhimento (4.º). Os expatriados acham fácil se acostumar com a cultura local (77% felizes contra 62% globalmente) e se sentem bem-vindos em Madri (77% contra 66% globalmente). O Índice de Finanças Pessoais (10º) é outro destaque, que se deve principalmente ao custo de vida (7º), avaliado positivamente em 69% (vs. 45% globalmente). Madri ocupa um 20º lugar acima da média no Expat Essentials Index e tem o pior desempenho no Working Abroad Index (38º). Entre outras coisas,

6 | Bangkok: expatriados se sentem em casa apesar das preocupações com a segurança

Bangkok ocupa o segundo lugar mundial no Índice de Finanças Pessoais. Os expatriados não estão apenas satisfeitos com o custo de vida geral (69% contra 45% globalmente), mas a acessibilidade também é um destaque no Expat Essentials Index (22º). A moradia é acessível (70% feliz contra 39% globalmente) e fácil de encontrar (85% contra 54% globalmente). Por outro lado, os expatriados classificam a cidade em 42º lugar nas subcategorias Vida Digital e Tópicos Administrativos. O Índice de Trabalho no Exterior (39º) é outro ponto baixo, com Bangkok ficando entre os 10 últimos nas subcategorias Salário e Segurança no Trabalho (41º), Perspectivas de Carreira (41º) e Cultura e Satisfação no Trabalho (46º). De fato, 35% estão insatisfeitos com o mercado de trabalho local (vs. 27% globalmente). Por fim, Bangkok ocupa o 39º lugar no Índice de Qualidade de Vida, classificando-se entre os piores destinos do mundo em Segurança e Segurança (45º) e Meio Ambiente e Clima (48º). Os expatriados estão insatisfeitos com a qualidade do ar (67% contra 19% globalmente) e com a estabilidade política (36% contra 15% globalmente).

7 | Basel: os expatriados estão satisfeitos com suas finanças, empregos e qualidade de vida

Basel tem o melhor desempenho no Índice de Finanças Pessoais (8º), ocupando o segundo lugar no mundo tanto pela satisfação dos expatriados com sua situação financeira quanto pela sensação de que sua renda familiar disponível é suficiente para levar uma vida confortável no exterior. A cidade suíça também ocupa um bom 14º lugar no Expat Essentials Index, principalmente devido ao seu forte desempenho em Admin Topics (7º) e Digital Life (12º), e também no Índice de Qualidade de Vida (12º). . Os expatriados avaliam o ambiente natural de forma positiva (98% felizes contra 83% globalmente) e se sentem seguros em Basel (98% contra 81% globalmente). No Working Abroad Index (14º), Basel ocupa o primeiro lugar na subcategoria Salários e Segurança no Trabalho. Cerca de quatro em cada cinco sentem-se pagos de forma justa por seu trabalho (79% contra 62% globalmente) e concordam que a mudança para lá melhorou suas perspectivas de carreira (81% contra 60% globalmente). No entanto,

8 | Melbourne: uma cidade fácil de se acostumar

Melbourne tem o melhor desempenho no Working Abroad Index (4º). Os expatriados estão satisfeitos com seu equilíbrio entre vida pessoal e profissional (72% felizes contra 62% globalmente), suas oportunidades de carreira (68% contra 58% globalmente) e sentem-se pagos de forma justa por seu trabalho (70% contra 62% globalmente). No Expat Essentials Index (16º), os expatriados acham fácil lidar com as autoridades locais (53% contra 40% globalmente), mas 30% consideram difícil encontrar moradia (contra 27% globalmente), enquanto 59% dizem que sim é difícil de pagar (vs. 43% globalmente). O Índice de Finanças Pessoais em geral é aquele em que Melbourne se sai pior (27º). Felizmente, a cidade tem melhor desempenho no Índice de facilidade de estabelecimento (17º) — os expatriados consideram os residentes locais geralmente amigáveis ​​(72% felizes contra 66% globalmente) e acham fácil se acostumar com a cultura local (74% contra. 62% globalmente) — e o Índice de Qualidade de Vida (19º)..


Alugue sem burocracia e fiador na UniPlaces. Aproveite e use o CUPOM: UP15POSSOTEMOSTRAR e ganhe 15% de desconto na taxa de serviço

9 | Abu Dhabi: excelente assistência médica e burocracia sem preocupações

Abu Dhabi tem o melhor desempenho no Expat Essentials Index (2º), ficando logo atrás de Dubai. Como em Dubai, os expatriados estão especialmente satisfeitos com a subcategoria Admin Topics (4ª). Os expatriados acham fácil abrir uma conta bancária local (74% satisfeitos contra 64% globalmente) e lidar com a burocracia local (53% contra 40% globalmente). No Working Abroad Index, Abu Dhabi ocupa apenas o meio-campo (27º). Enquanto 75% dos expatriados sentem que a mudança melhorou suas perspectivas de carreira (vs. 60% globalmente), 31% se sentem pagos injustamente por seu trabalho (vs. 20% globalmente). Essa percepção de baixo salário também pode ser uma razão para a cidade ficar entre os 10 primeiros lugares no ranking da satisfação dos expatriados com sua situação financeira (43º). O resultado: uma posição abaixo da média no Índice de Finanças Pessoais (34º) no geral. No entanto, os expatriados estão bastante satisfeitos quando se trata do Índice de Facilidade de Instalação (12º) e desfrutam de uma ótima Qualidade de Vida (8º). A cidade reivindica o primeiro lugar em disponibilidade e qualidade de atendimento médico na Subcategoria Saúde e Bem-Estar (1º).

10 | Cingapura: o lugar ideal para facilitar a administração, satisfazer as finanças e melhorar as perspectivas de carreira

Cingapura ocupa o terceiro lugar no Expat Essentials Index e é um dos destinos com melhor classificação em Idioma (1º), Vida Digital (3º) e Tópicos Administrativos (9º). Os expatriados acham muito fácil obter acesso à Internet de alta velocidade em casa (97% satisfeitos contra 79% globalmente) e pagar sem dinheiro (97% contra 84% globalmente). No entanto, a moradia é considerada inacessível (71% infelizes contra 43% globalmente) e o custo geral de vida muito alto (56% contra 35% globalmente). Ainda assim, 75% estão satisfeitos com sua situação financeira (contra 60% globalmente), classificando Cingapura em 16º lugar no Índice de Finanças Pessoais. Pode ajudar o fato de 74% se sentirem pagos de forma justa por seu trabalho (vs. 62% globalmente). Mas como as subcategorias Trabalho e Lazer (33º) e Cultura e Satisfação no Trabalho (37º) deixam muito a desejar, Cingapura ocupa apenas o 28º lugar no Índice de Trabalho no Exterior. A cidade-estado tem melhor desempenho no Índice de Qualidade de Vida (20º). Por exemplo, está entre os 5 primeiros em acessibilidade (3ª) e disponibilidade (4ª) de transporte público.


As 10 piores cidades para expatriados em 2022

50 | Joanesburgo: o pior destino para expatriados do mundo

Joanesburgo é a pior cidade para expatriados em geral e no Índice de Qualidade de Vida (50º) em particular. Os expatriados estão insatisfeitos com a acessibilidade (25% contra 15% globalmente) e a disponibilidade (39% contra 17% globalmente) do transporte público e também se sentem inseguros (62% contra 9% globalmente). No Working Abroad Index (49º), eles avaliam negativamente o mercado de trabalho local (38% contra 27% globalmente) e suas oportunidades de carreira pessoal (29% contra 22% globalmente). Os expatriados também estão insatisfeitos com suas finanças pessoais (41% infelizes contra 21% globalmente) e 44% dizem que sua renda familiar disponível não é suficiente para levar uma vida confortável (contra 28% globalmente). Isso coloca a cidade em 47º lugar no Índice de Finanças Pessoais. Pelo menos a moradia é acessível (46% feliz contra 39% globalmente), que é uma das razões pelas quais Joanesburgo ainda está em 36º lugar no Expat Essentials Index. Por outro lado, os expatriados avaliam negativamente a disponibilidade de serviços governamentais online (41% insatisfeitos contra 21% globalmente).

49 | Frankfurt: onde os expatriados lutam mais com digitalização, administração e idioma

Frankfurt vem em último lugar no Expat Essentials Index (50º) e está entre os 10 últimos em todas as suas subcategorias: Vida Digital (47º), Idioma (46º), Tópicos Administrativos (45º) e Habitação (43º). Quase dois em cada cinco estão insatisfeitos com os serviços administrativos disponíveis online (39% contra 21% globalmente) e as opções de pagamento sem dinheiro (37% contra 8% globalmente), enquanto a moradia é considerada muito cara (70% insatisfeitos contra . 43% globalmente). Os expatriados também estão insatisfeitos com o custo de vida geral (51% contra 35% globalmente), classificando a cidade em 41º lugar no Índice de Finanças Pessoais. No índice de facilidade de adaptação (48º), eles têm dificuldade em fazer amigos locais (55% infelizes contra 37% globalmente) e acham difícil se acostumar com a cultura local (30% contra 19% globalmente). Frankfurt tem um desempenho um pouco melhor, mas ainda abaixo da média, nos Índices Trabalho no Exterior (35º) e Qualidade de Vida (31º). Por exemplo, embora a cidade tenha uma boa classificação por sua infraestrutura para carros (10º), ela é classificada como a pior do mundo em acessibilidade de transporte público (50º).


Veja mais:

48 | Paris: um dos principais destinos culturais e gastronômicos — se você puder pagar

Paris fica entre os 5 últimos lugares do Expat Essentials Index (47º). Os expatriados acham extremamente difícil encontrar moradia (47º) e 71% dizem que os custos de moradia são muito altos (vs. 43% globalmente). Despesas altas também impactam o Índice de Finanças Pessoais (48º): 62% consideram o custo de vida geral muito alto (vs. 35% globalmente) e 35% estão insatisfeitos com sua situação financeira (vs. 21% globalmente). Os expatriados também não se sentem muito bem-vindos em Paris (45º), o que é uma das razões para sua classificação em 5º lugar no índice de facilidade de acomodação (46º). Eles consideram os parisienses hostis aos residentes estrangeiros (35% infelizes contra 18% globalmente) e acham difícil fazer amigos locais (58% contra 37% globalmente). Do lado positivo, Paris ocupa o meio-campo em Qualidade de Vida (30º). Os expatriados apreciam, por exemplo, a variedade culinária e as opções gastronômicas (86% vs. 77% globalmente), bem como a cultura e vida noturna (78% vs. 67% globalmente). No entanto, 23% se preocupam com sua segurança pessoal (vs. 9% globalmente).

47 | Istambul: a pior cidade para trabalhar no exterior

Istambul ocupa a última posição mundial no Índice de Trabalho no Exterior (50º). Os expatriados estão insatisfeitos com suas horas de trabalho (28% contra 17% globalmente) e com seu equilíbrio entre vida pessoal e profissional (30% contra 19% globalmente). Outros 52% avaliam negativamente o estado da economia (vs. 17% globalmente) e 26% sentem-se pagos injustamente por seu trabalho (vs. 20% globalmente). Isso se reflete no Índice de Finanças Pessoais (40º), com 38% sentindo que sua renda familiar disponível não éo suficiente para levar uma vida confortável (vs. 28% globalmente). Istambul também ocupa o 40º lugar no Índice de Qualidade de Vida, com resultados particularmente ruins na subcategoria Segurança e Proteção (44º). Os expatriados avaliam a estabilidade política negativamente (28% infelizes contra 15% globalmente) e 30% acham que não podem se expressar abertamente e suas opiniões (contra 18% globalmente). Istambul também está entre as 10 últimas por suas oportunidades para esportes recreativos (46º), infraestrutura para carros (43º), ambiente urbano (41º) e disponibilidade de bens e serviços verdes (41º).


46 | Hong Kong: fatores ambientais e de vida profissional frustram expatriados

Hong Kong é a cidade onde os expatriados estão mais insatisfeitos com sua vida no exterior (32% insatisfeitos contra 13% globalmente). Uma das razões para isso pode ser seu baixo desempenho no Índice de Qualidade de Vida (46º). Os expatriados estão insatisfeitos com a qualidade do ar local (56% insatisfeitos contra 19% globalmente) e sentem que o governo não apóia políticas para proteger o meio ambiente (42% contra 18% globalmente). No Índice Working Abroad (43º), eles estão especialmente desapontados com as Subcategorias Trabalho e Lazer (48º), Salário e Segurança no Trabalho (43º) e Cultura e Satisfação no Trabalho (44º). Eles descobrem que a cultura empresarial não incentiva a flexibilidade (28% infelizes contra 19% globalmente) ou a criatividade (46% contra 26% globalmente). Enquanto a cidade ocupa o meio-campo no Índice de facilidade de acomodação (25º), ela recebe resultados mistos no Índice de fundamentos para expatriados (35º).

45 | Hamburgo: onde os expatriados são mais infelizes e têm mais dificuldade em fazer amigos

Hamburgo ocupa o 49º lugar no Índice de facilidade de estabelecimento e o 50º na subcategoria Encontrar amigos. Apenas 19% acham fácil fazer amigos locais (vs. 42% globalmente) e 39% não se sentem em casa lá (vs. 21% globalmente) .Juntamente com Munique (49º) e Frankfurt (50º), Hamburgo (48º) termina entre os 3 últimos lugares do Expat Essentials Index. Por exemplo, 66% têm dificuldade em encontrar acomodação em Hamburgo (vs. 27% globalmente). No Índice de Qualidade de Vida (24º), a cidade se sai mal em clima e clima (49º), mas tem um desempenho muito bom em disponibilidade de bens e serviços verdes (3º). E enquanto 28% estão insatisfeitos com a acessibilidade do transporte público (vs. 15% globalmente), 95% estão satisfeitos com sua disponibilidade (vs. 73% globalmente). Hamburgo ocupa o meio-campo no Índice de Trabalho no Exterior (25º), já que os expatriados apreciam sua segurança no emprego e o estado da economia local (10º para ambos), bem como suas horas de trabalho (9º). No entanto, 15% não veem um propósito em seu trabalho (vs. 9% globalmente).


44 | Milão : situação financeira preocupante, vida profissional difícil

Milão tem o pior desempenho no Índice de Trabalho no Exterior (48º), classificando-se entre os 5 últimos em horas de trabalho (48º) e equilíbrio entre vida pessoal e profissional (46º). Os expatriados também lutam com a falta de oportunidades de carreira pessoal (31% infelizes contra 22% globalmente) e sentem que não são pagos de forma justa por seu trabalho (29% contra 20% globalmente). No Índice de Qualidade de Vida (33º), 54% estão insatisfeitos com a qualidade do ar da cidade (vs. 19% globalmente), mas 73% apreciam o clima e o tempo (vs. 62% globalmente). E enquanto a infraestrutura para carros (42º) deixa muito a desejar, os expatriados apreciam suas oportunidades de viajar (10º). O Índice de Finanças Pessoais (45º) é outro ponto baixo: os expatriados estão insatisfeitos com sua situação financeira (33% contra 21% globalmente) e sentem que sua renda familiar disponível não éo suficiente para levar uma vida confortável em Milão (34% contra 28% globalmente). Por fim, no Expat Essentials Index (41º), 66% acham difícil lidar com a burocracia local, em comparação com 39% globalmente.

43 | Vancouver: onde a moradia é inacessível e os residentes locais não são tão amigáveis

Vancouver ocupa o último lugar mundial no Índice de Finanças Pessoais (50º). Os expatriados estão extremamente insatisfeitos com o custo de vida geral (69% contra 35% globalmente) e sua situação financeira (43% contra 21% globalmente). A acessibilidade da moradia (49º) também é o fator com pior classificação no Expat Essentials Index. No entanto, graças ao seu excelente desempenho nas subcategorias Admin Topics (6º), Digital Life (11º) e Language (12º), Vancouver ainda ocupa um bom 21º lugar neste índice. No Working Abroad Index (31º), os expatriados não se sentem pagos de forma justa por seu trabalho (31% infelizes contra 20% globalmente) e não veem um propósito nele (18% contra 9% globalmente). No entanto, eles estão satisfeitos com o equilíbrio entre vida pessoal e profissional (73% felizes contra 62% globalmente) e avaliam o mercado de trabalho local positivamente (60% contra 47% globalmente). O ambiente &


42 | Tóquio: difícil de navegar, mas a qualidade de vida é alta

No Expat Essential Index (45º), Tóquio obtém seus piores resultados. Os expatriados estão insatisfeitos com a disponibilidade de serviços governamentais online (45% insatisfeitos contra 21% globalmente). Eles também acham difícil pagar sem dinheiro (21% insatisfeitos contra 8% globalmente) e abrir uma conta bancária (46% contra 21% globalmente). Enquanto a cidade apresenta melhor desempenho no Índice de Trabalho no Exterior (40º), ocupa a 50ª posição na Subcategoria Cultura e Satisfação no Trabalho. Os expatriados acham que a cultura empresarial local não incentiva a criatividade (64% contra 26% globalmente) ou o trabalho independente (61% contra 28% globalmente). No entanto, Tóquio está entre os 10 primeiros em segurança no emprego (10º) e expatriados que veem um propósito em seu trabalho (8º). No final, tem o melhor desempenho no Índice de Qualidade de Vida (16º). A qualidade do atendimento médico (5º), a variedade culinária e as opções gastronômicas (4º),


41 | Roma: expatriados se sentem em casa apesar da baixa qualidade de vida

Roma fica entre os 10 últimos lugares do Índice de Trabalho no Exterior (45º). Os expatriados estão insatisfeitos com o mercado de trabalho local (38% insatisfeitos contra 27% globalmente) e 24% acham que se mudar para lá nãomelhoraram suas perspectivas de carreira (vs. 18% globalmente). A cidade não se sai muito melhor no Expat Essentials Index (43º), onde ocupa a última posição mundial na subcategoria Admin Topics (50º). Metade dos entrevistados (50%) está insatisfeito com a disponibilidade de serviços administrativos e governamentais on-line (vs. 21% globalmente). No Índice de Qualidade de Vida (41º), os expatriados avaliam negativamente a disponibilidade de transporte público (38% infelizes contra 17% globalmente) e a infraestrutura para carros (36% contra 13% globalmente). Eles também estão insatisfeitos com a qualidade (43º) e a disponibilidade (48º) dos cuidados de saúde. Do lado positivo, a cidade tem um bom desempenho no Índice de Facilidade de Liquidação (13º) e ocupa uma posição intermediária no Índice de Finanças Pessoais (25º).


Expat City Ranking 2022 revela as melhores e piores cidades para expatriados em todo o mundo.

Gostou da notícia? Curta e compartilhe essa matéria com quem você conhece que também precisa saber dessa notícia! Deixe nos comentários sua opinião!


Vai viajar? Aproveite os cupons de desconto do Posso Te Mostrar e outras vantagens:

Vai trabalhar nem Portugal? Alugue quartos ou apartamentos inteiros sem burocracia e sem fiador na Uniplaces! Aproveite e use o CUPOM: UP15POSSOTEMOSTRAR e ganhe 15% de desconto na taxa de serviço

Sobre o Expat City Ranking 2022

O Expat City Ranking é baseado na pesquisa anual Expat Insider da InterNations. Para a pesquisa, a InterNations pediu a 11.970 expatriados representando 177 nacionalidades e vivendo em 181 países ou territórios para fornecer informações sobre vários aspectos da vida de expatriados, bem como seu gênero, idade e nacionalidade. Além de sua satisfação com a vida no país anfitrião, os entrevistados também foram convidados a compartilhar suas opiniões sobre a cidade em que vivem atualmente.


Os participantes foram solicitados a avaliar até 56 aspectos diferentes da vida urbana no exterior em uma escala de um a sete. O processo de classificação enfatizou sua satisfação pessoal com esses aspectos, considerando tanto temas emocionais quanto aspectos mais factuais com igual peso. Os fatores individuais foram agrupados em várias combinações para um total de 16 subcategorias, e seus valores médios foram usados ​​para elaborar cinco índices tópicos: Qualidade de Vida, Facilidade de Instalação, Trabalho no Exterior, Finanças Pessoais e Expatriados Essenciais. Foi feita uma média adicional - juntamente com as respostas à pergunta "Considerando tudo, quão feliz você está com sua vida no exterior em geral?" — para criar o Expat City Ranking. Em 2022, as 10 principais cidades para expatriados são Valência (1ª), Dubai, Cidade do México, Lisboa, Madri, Bangkok, Basel, Melbourne, Abu Dhabi.


Para que uma cidade seja apresentada no Expat City Ranking 2022, foi necessário um tamanho de amostra de pelo menos 50 participantes da pesquisa por destino. No total, 50 cidades atenderam a esse requisito.










Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page